Abate de (mais) árvores na Alameda dos Oceanos

Está prevista para este mês uma intervenção de abate de seis carvalhos (quercus palustris) no troço sul da Alameda dos Oceanos. De acordo com a Divisão de Manutenção e Requalificação da Estrutura Verde da CML, após visita ao local “verificou-se que os exemplares apresentam cavidades abertas na totalidade do tronco, com madeira apodrecida e flecha seca, cerca de 95% está seco ou completamente secos”. Adianta ainda que num dos exemplares “verifica-se na base do tronco a presença de um carpóforo da espécie “Ganoderma resinaceum” (identificado pelo LPVVA), estando o exemplar completamente seco”. Por esses motivos, propõe aquela Divisão o abate dos exemplares.

Há pouco mais de um ano, já se tinha procedido ao abate de mais de duas dezenas de carvalhos desta mesma espécie plantados ao longo da plataforma central da Alameda dos Oceanos, entre o Pavilhão do Conhecimento e o Pavilhão de Portugal, curiosamente três meses depois da ACIPN ter alertado para o estado fitossanitário dos exemplares. Nessa altura (junho de 2017), também alertámos para a existência de mais uma dezena de exemplares no troço sul da Alameda do Oceanos alguns já irremediavelmente secos e outros com aspeto pouco saudável. Infelizmente, acabaram por ter o mesmo fim que os primeiros e serão agora alvo de abate.

Conforme consta no aviso camarário, resta-nos aguardar que a substituição destas árvores (por outras da mesma espécie) seja célere. Mas tendo por exemplo o caso dos exemplares abatidos há um ano cuja substituição ainda não se processou, não temos motivos para estar otimistas.

NOTA: O carvalho-espanhol ou carvalho-dos-pântanos (assim se chama esta espécie) é uma árvore caducifólia de grande porte (pode atingir os 25 metros de altura) originária da América do Norte. Tem uma folhagem verde que muda para um caraterístico vermelho vivo durante o Outono.

Facebook