Praga do escaravelho da palmeira no Jardim de Ulisses

Na última semana surgiram sinais de contágio pela praga do escaravelho vermelho numa das cerca de 60 palmeiras do género Phoenix que fazem parte do denominado Jardim de Ulisses, nos Jardins d’Água do Parque das Nações. A situação é especialmente preocupante atendendo à elevada concentração desta espécie numa área relativamente pequena (aprox. 1.400m2) e à sua grande vulnerabilidade à doença.

4078   4076

A ACIPN já informou o Departamento da Estrutura Verde da CML e o vogal da Junta de Freguesia do Parque das Nações responsável pelos Espaços Verdes, solicitando a tomada imediata das medidas necessárias tendo em vista a eliminação dos focos de infestação e a proteção das palmeiras que se encontram na zona envolvente.

A poucas dezenas de metros deste local, uma outra palmeira, esta do género Washingtonia, também apresenta sinais de doença. E ali bem ao lado, na Esplanada Dom Carlos I, desde 2013 já morreram 11 palmeiras.

20161009_125618

Recordamos que o escaravelho da palmeira ou escaravelho vermelho, ataca diversas espécies de palmeiras provocando estragos importantes que podem conduzir à sua morte. Originário da Ásia, foi detetado na Europa em 1996 (Espanha) possivelmente introduzido através de palmeiras importadas do Egipto, tendo posteriormente sido assinalada a sua presença em quase todos os países da bacia mediterrânica.

 

[UPDATE 24-10-2016]

Constatámos com satisfação que poucos dias após termos informado o Departamento da Estrutura Verde da CML e o vogal da Junta de Freguesia do Parque das Nações responsável pelos Espaços Verdes sobre o surgimento de sinais de contágio pela praga do escaravelho da palmeira no Jardim de Ulisses, já foram iniciados os procedimentos fitossanitários no sentido de proteger e reforçar as defesas das restantes palmeiras.

14753783_1374178655925802_2817055035977393837_o   14700983_1374178682592466_5461974136077943215_o

A opção recaiu sobre endotratamentos, através de injeções no espique das palmeiras, com um produto denominado “SOS Palm”. Este processo além de fortificar o estado fitossanitário da palmeira, conferindo mais nutrientes ao seu tecido vegetal, vai combater a praga e é executado através da colocação de um cateter para que, mensalmente, possa ser aplicada uma dosagem de “SOS Palm” diluída com inseticidas, sendo que estes são aplicados alternadamente no sentido de evitar as resistências da praga.

Facebook